Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Exposição

Drama e euforia

O Brasil nas copas de 50 a 70

Jogadores se abraçam

 

  • Apresentação

    A Copa do Mundo de futebol teve início em 1930, no Uruguai, com uma breve participação do Brasil. Já em 1934, na Itália de Mussolini, a eliminação se dá logo na estréia. Finalmente composta por profissionais, com craques como Domingos da Guia e Leônidas da Silva, a seleção brasileira obtém o terceiro lugar no Campeonato da França, em 1938.

    Com a II Guerra Mundial o campeonato fica suspenso até 1950, ano em que sediamos a Copa. Para ela foi construído, no Rio de Janeiro, o estádio do Maracanã que se notabilizou como o maior do mundo. Com Ademir como artilheiro, a seleção chega à final e perde para o Uruguai. O impacto dramático do resultado obscurece o segundo lugar e o brilho do time de Nilton Santos, Jair Rosa Pinto, Zizinho, entre outros. A Copa de 1954, na Suíça, passa rápido para nós e com três jogos voltamos para casa.

    Tudo muda em 1958: o Brasil bossa nova, o Brasil de JK, vence a sua primeira Copa do Mundo, na Suécia, com Pelé, craque aos 17 anos e Garrincha esbanjando genialidade. Finalmente a 'taça do mundo' vinha para as nossas mãos.

    O bicampeonato em 1962 é comemorado em Brasília, com João Goulart. Na Copa do Chile, apesar da ausência de Pelé, que logo se contunde, o Brasil brilha, com Amarildo, Garrincha e Vavá.

    Duas Copas do Mundo aqui apresentadas foram disputadas sob o regime militar no Brasil: a de 1966, na Inglaterra, de triste lembrança; e a de 1970, do inesquecível "Prá frente Brasil" e da conquista do tricampeonato. O cenário é o México e a seleção faz uma campanha irrepreensível, feita só de vitórias.

    Para registrar essas seis Copas foram escolhidas imagens dos jogos, mas também dos treinos que nos dão uma amostra das diferentes técnicas utilizadas e das mudanças nos padrões corporais dos jogadores; dos momentos de lazer nas concentrações; das comemorações dos torcedores e dos eventos oficiais; do contato com os fãs. Além disso, a exposição presta uma homenagem a Pelé e Garrincha.

    Entre 1950 e 1970 a Copa do Mundo foi definitivamente incorporada à nossa crônica, como evento nacional. O jornal Correio da Manhã, que circulou de 1901 a 1974, responde por boa parte das imagens expostas: hoje reunidas permitem-nos um outro olhar para aqueles distantes estádios fotografados em preto e branco dos anos 50 e 60 e para a Copa de 70, de que temos uma memória technicolor. Complementam o conjunto registros da Agência Nacional, responsável pelas imagens dos presidentes com as seleções.

    Drama e euforia resumem a primeira e a última Copa aqui enfocadas, mas estão presentes também em outros momentos da exposição: no torcedor acompanhando pelo rádio um jogo que parecia adverso para o Brasil em 1962; na felicidade daqueles que assistiam à estréia da seleção na fatídica Copa de 50; na chegada dos nossos craques ao país após a conquista de 58. Drama e euforia estarão estampados ainda nas imagens de todas as Copas de nossas vidas.

    Cláudia Beatriz Heynemann
    Maria do Carmo Teixeira Rainho

  • Galerias

    Jogadores comemoram a conquista do tricampeonato

    Jogadores comemoram a conquista do tricampeonato



    • Jogadores comemoram a conquista do tricampeonato
    • Jogadores comemoram a conquista do tricampeonato

      Jogadores após o jogo contra a Itália. Em primeiro plano, Rivelino e Pelé.
      Cidade do México, 21 de junho de 1970. Correio da Manhã.

    • Jogadores comemoram a conquista do tricampeonato
    • Copa de 1950
    • Craques da seleção posam no aeroporto
    • O tradicional churrasco
    • Sinuca
    • Brasil 2 x 0 Iugoslávia
    • Primeiro gol contra o México
    • Defesa de Barbosa
    • Lance do jogo Brasil x México
    • Comemoração após gol contra a Iugoslávia
    • Esforços inúteis do goleiro sueco
    • Gol de Friaça contra o Uruguai
    • A solidão do goleiro Barbosa
    • Copa de 1950

      IV Campeonato Mundial de Futebol

      A Copa do Mundo de 1950 ficou marcada pelo excesso de expectativas e frustrações: primeira após a II Guerra Mundial e primeira no Brasil representava a nossa chance de conquista inédita. E para isso o cenário e as condições eram favoráveis: jogos, em grande parte no Rio de Janeiro, no estádio construído especialmente para o evento, o Maracanã; ausência da maioria das seleções européias, como Bélgica, Holanda, Alemanha, Áustria, Portugal, Escócia, União Soviética e França; e até os problemas na escalação da Itália, que havia perdido a base da sua seleção num terrível acidente aéreo que vitimou todo o time do Torino, em 1949. Saiba mais

      Cartão postal produzido para o IV Campeonato Mundial de Futebol.
      Rio de Janeiro, 1950. Correio da Manhã.

    • Craques da seleção posam no aeroporto

      Os craques da seleção posam no Aeroporto Santos Dumont ao retornarem da concentração em Araxá.
      Rio de Janeiro, s.d., Correio da Manhã.

    • O tradicional churrasco

      Junto aos espetos: o tradicional churrasco das horas livres, s.l., s.d.
      Correio da Manhã.

    • Sinuca

      A sinuca foi uma diversão constante nos momentos de lazer dos jogadores, entre eles, Zizinho e Ademir, s.l., s.d.
      Correio da Manhã.

    • Brasil 2 x 0 Iugoslávia

      Torcedores comemoram a vitória do Brasil por 2 x 0 sobre a Iugoslávia.
      Rio de Janeiro, 1 de julho de 1950. Correio da Manhã.

    • Primeiro gol contra o México

      Ademir, "Queixada", marca, aos 32', o primeiro gol do Brasil e da competição no jogo contra o México que terminou em 4 x 0.
      Rio de Janeiro, 24 de junho de 1950. Correio da Manhã.

    • Defesa de Barbosa

      O goleiro Barbosa defende sob as vistas de Juvenal no jogo Brasil 2 x 2 Suíça.
      São Paulo, 28 de junho de 1950. Correio da Manhã.

    • Lance do jogo Brasil x México

      O Brasil venceu com gols de Ademir (32' e 81'), Jair (66') e Baltazar (72').
      Rio de Janeiro, 24 de junho de 1950. Correio da Manhã.

    • Comemoração após gol contra a Iugoslávia

      Comemoração dos jogadores brasileiros após um dos gols marcados na partida contra a Iugoslávia vencida pelo Brasil por 2 x 0.
      Rio de Janeiro, 1 de julho de 1950. Correio da Manhã.

    • Esforços inúteis do goleiro sueco

      Os esforços do goleiro sueco foram inúteis. Ademir, artilheiro da Copa, fulmina Karl Svensson aos 36'.
      Rio de Janeiro, 9 de julho de 1950. Correio da Manhã.

    • Gol de Friaça contra o Uruguai

      Gol de Friaça, único marcado pelo Brasil, já no segundo tempo do jogo contra o Uruguai.
      Rio de Janeiro, 16 de julho de 1950. Correio da Manhã.

    • A solidão do goleiro Barbosa

      Após uma recuperação inesperada do Uruguai, Gigghia marca o segundo gol da equipe, aos 77', selando a conquista do IV Campeonato Mundial de Futebol.
      Rio de Janeiro, 16 de julho de 1950. Correio da Manhã.

    • Copa de 1950
    • Craques da seleção posam no aeroporto
    • O tradicional churrasco
    • Sinuca
    • Brasil 2 x 0 Iugoslávia
    • Primeiro gol contra o México
    • Defesa de Barbosa
    • Lance do jogo Brasil x México
    • Comemoração após gol contra a Iugoslávia
    • Esforços inúteis do goleiro sueco
    • Gol de Friaça contra o Uruguai
    • A solidão do goleiro Barbosa
    • Copa de 1954
    • Presidente Vargas recebe a delegação brasileira
    • Sinuca
    • Mário Américo
    • Momento de lazer
    • Jogador Pinga em disputa de bola
    • Treino físico antes do embarque para a Suiça
    • O goleiro mexicano em ação, após chute do ataque brasileiro
    • Brasil 1 x 1 Iugoslávia
    • Defesa de Castilho
    • Copa de 1954

      Estréia da V Copa do Mundo

      Ao preparar o escrete brasileiro para a Copa de 54, o técnico Zezé Moreira teve a preocupação em exacerbar nos jogadores a determinação e o amor à camisa, sentimentos que muitos consideraram ausentes na seleção de 50. Assim, na bagagem, os nossos jogadores levaram além de um novo uniforme - em que pela primeira vez aparecia a camisa amarela - a bandeira nacional, o hino decorado e os discursos patrióticos. Era como se saíssemos daqui para uma guerra e não para o campeonato mundial de futebol. Na delegação não faltaram também bons jogadores, alguns superiores aos de 50, como Djalma Santos, Pinheiro e Nilton Santos. No meio campo, Bauer estava no auge e Didi já era craque; além deles, também se destacavam os pontas Julinho e Rodrigues, o primeiro, genial. Saiba mais

      Jogadores do Brasil na estréia da V Copa do Mundo.

      Genebra, 16 de junho de 1954. 
      Correio da Manhã.

    • Presidente Vargas recebe a delegação brasileira

      A delegação do Brasil à Copa do Mundo é recebida pelo presidente Vargas no Palácio do Catete.

      Rio de Janeiro, 15 de maio de 1954. 
      Agência Nacional.

    • Sinuca

      Um dos passatempos preferidos dos jogadores brasileiros na concentração: a sinuca. Esperando para jogar, com o taco na mão, o goleiro Castilho, s.l., s.d.

      Correio da Manhã.

    • Mário Américo

      Mário Américo foi pugilista e cursou a Escola Nacional de Educação Física e Desportos com o intuito de preparar-se para a atuação como massagista. Nesta função, participou de sete Copas do Mundo, entre 1950 e 1974, tendo se destacado pela habilidade e dedicação com que exercia seu trabalho, s.l., s.d.

      Correio da Manhã.

    • Momento de lazer

      s.l., s.d., Correio da Manhã.

    • Jogador Pinga em disputa de bola

      O jogador Pinga, em disputa de bola, na partida Brasil 5 x 0 México.

      Genebra, 16 de junho de 1954. 
      Correio da Manhã.

    • Treino físico antes do embarque para a Suiça

      Jogadores brasileiros em treino físico antes do embarque para a Suíça, s.l., s.d.
      Correio da Manhã.

    • O goleiro mexicano em ação, após chute do ataque brasileiro

      Genebra, 16 de junho de 1954. 
      Correio da Manhã.

    • Brasil 1 x 1 Iugoslávia

      Lausanne, 19 de junho de 1954. 
      Correio da Manhã.

    • Defesa de Castilho

      Lance do ataque da Hungria que venceu a partida por 4 x 2. Berna, 27 de junho de 1954. 
      Correio da Manhã.

    • Copa de 1954
    • Presidente Vargas recebe a delegação brasileira
    • Sinuca
    • Mário Américo
    • Momento de lazer
    • Jogador Pinga em disputa de bola
    • Treino físico antes do embarque para a Suiça
    • O goleiro mexicano em ação, após chute do ataque brasileiro
    • Brasil 1 x 1 Iugoslávia
    • Defesa de Castilho
     
     
    • Copa de 1958
    • Gol contra a União Soviética
    • Os futuros campeões durante a execução dos hinos nacionais
    • Vavá atropela a defesa da França
    • Pelé no ataque
    • Gol contra a França
    • A Taça do Mundo é nossa
    • Volta olímpica
    • Bellini exibe a taça Jules Rimet
    • Desfile pelas ruas do Rio de Janeiro
    • Festa da chegada dos jogadores brasileiros
    • Multidão aguardando a passagem dos campeões do mundo
    • Comemoração pela conquista da Copa
    • Juscelino Kubistchek beija a taça Jules Rimet
    • Copa de 1958

      Jogada de Vavá

      Vavá em jogada do ataque brasileiro no empate sem gols contra a Inglaterra.
      Gotemburgo, 11 de junho de 1958. Correio da Manhã.

    • Gol contra a União Soviética

      Gol do Brasil na vitória por 2 x 0 sobre a União Soviética.
      Gotemburgo, 15 de junho de 1958. Correio da Manhã.

    • Os futuros campeões durante a execução dos hinos nacionais

      s.l., s.d., Correio da Manhã.

    • Vavá atropela a defesa da França

      Partida vencida pelo Brasil por 5 x 2.
      Estocolmo, 24 de junho de 1958. Correio da Manhã.

    • Pelé no ataque

      Lance da partida Brasil 1 x 0 País de Gales, pelas quartas de final.
      Gotemburgo, 19 de junho de 1958. Correio da Manhã.

    • Gol contra a França

      Terceiro gol do Brasil na partida contra a França.
      Estocolmo, 24 de junho de 1958. Correio da Manhã.

    • A Taça do Mundo é nossa

      Bellini, Feola e Gilmar. A taça do mundo é nossa!
      Estocolmo, 29 de junho de 1958. Correio da Manhã.

    • Volta olímpica

      Bellini, Zagallo, Garrincha e Nilton Santos na volta olímpica.
      Estocolmo, 29 de junho de 1958. Correio da Manhã.

    • Bellini exibe a taça Jules Rimet

      No desembarque dos campeões do mundo, Bellini exibe a taça Jules Rimet.
      Rio de Janeiro, julho de 1958. Agência Nacional.

    • Desfile pelas ruas do Rio de Janeiro

      Gilmar e Djalma Santos em desfile pelas ruas do Rio de Janeiro, julho, 1958. Correio da Manhã.

    • Festa da chegada dos jogadores brasileiros

      Rio de Janeiro, julho, 1958. Correio da Manhã.

    • Multidão aguardando a passagem dos campeões do mundo

      Rio de Janeiro, julho, 1958. Correio da Manhã.

    • Comemoração pela conquista da Copa

      São Paulo, junho, 1958. Correio da Manhã.

    • Juscelino Kubistchek beija a taça Jules Rimet

      Recepção no Palácio Laranjeiras.
      Rio de Janeiro, 10 de julho de 1958. Agência Nacional.

    • Copa de 1958
    • Gol contra a União Soviética
    • Os futuros campeões durante a execução dos hinos nacionais
    • Vavá atropela a defesa da França
    • Pelé no ataque
    • Gol contra a França
    • A Taça do Mundo é nossa
    • Volta olímpica
    • Bellini exibe a taça Jules Rimet
    • Desfile pelas ruas do Rio de Janeiro
    • Festa da chegada dos jogadores brasileiros
    • Multidão aguardando a passagem dos campeões do mundo
    • Comemoração pela conquista da Copa
    • Juscelino Kubistchek beija a taça Jules Rimet
    • Copa de 1962
    • Zagallo e Garrincha
    • Didi e Pelé jogam damas na concentração
    • Treinamento físico a cargo de Paulo Amaral
    • Coutinho toma um café
    • Torcedor acompanha a partida Brasil 2 x 1 Espanha
    • Vavá marca gol
    • Maurice Norman e Vavá
    • Garrincha
    • Comemoração após gol na vitória sobre o Chile
    • A emoção de Nilton Santos
    • Brasil 4 x 2 Chile
    • Os bicampeões na Avenida São João
    • Zito, Pelé e Gilmar com o presidente João Goulart
    • Copa de 1962

      Didi e Nilton Santos bloqueiam Ramirez

      A seleção brasileira que alcançou o bicampeonato no Chile fez jus à máxima "em time que está ganhando não se mexe". Com exceção do técnico Aimoré Moreira, que substituiu Vicente Feola afastado por problemas de saúde, e da dispensa de João Carvalhaes, psicólogo e de Mário Trigo, dentista, a idéia era manter toda a equipe que havia vencido na Suécia. Dessa vez foi possível convocar os jogadores pelo seu talento, sem levar em conta afirmações como a de Paulo Machado de Carvalho, chefe da delegação brasileira que, em 1958, preconizou a escolha de jogadores brancos uma vez que os "negros eram mais afeitos à exibição do que a competição". A Copa de 62 seria a da consagração de Garrincha. Saiba mais

      Didi ajuda Nilton Santos a bloquear Ramirez, no jogo contra o Chile.
      Santiago, 13 de junho de 1962. Correio da Manhã.

    • Zagallo e Garrincha

      Mais de quarenta jogadores foram chamados na primeira convocação para a VII Copa do Mundo. Em treinamento, Zagallo e Garrincha.
      Rio de Janeiro, 1962. Correio da Manhã.

    • Didi e Pelé jogam damas na concentração

      s.l, abril de 1962. Correio da Manhã.

    • Treinamento físico a cargo de Paulo Amaral

      s.l., s.d., Correio da Manhã.

    • Coutinho toma um café

      preparado pelo cafeteiro Amaro, do Instituto Brasileiro do Café (IBC). O hábito brasileiro será questionado pelos ingleses na Copa de 1966, sob a acusação de ser estimulante. A disputa é resolvida pelo IBC, ao argumentar que o chá dos ingleses tem esta característica muito mais realçada.

      Rio de Janeiro, 16 de abril de 1962. Correio da Manhã.

    • Torcedor acompanha a partida Brasil 2 x 1 Espanha

      na qual Amarildo marcou os dois gols.
      Viña del Mar, 6 de junho de 1962. Correio da Manhã.

    • Vavá marca gol

      Vavá marca o segundo gol brasileiro no jogo Brasil 3 x 1 Inglaterra.
      Viña del Mar, 10 de junho de 1962. Correio da Manhã.

    • Maurice Norman e Vavá

      Maurice Norman, da seleção inglesa, apoiado sobre Vavá.
      Viña del Mar, 10 de junho de 1962. Correio da Manhã.

    • Garrincha

      entre dois jogadores da Tchecoslováquia.
      Santiago, 17 de junho de 1962. Correio da Manhã.

    • Comemoração após gol na vitória sobre o Chile

      Comemoração brasileira após um dos gols na vitória sobre o Chile.
      Santiago, 13 de junho de 1962. Correio da Manhã.

    • A emoção de Nilton Santos

      após o jogo contra a Tchecoslováquia. O placar de 3 x 1 garantiu o bicampeonato brasileiro.
      Santiago, 17 de junho de 1962. Correio da Manhã.

    • Brasil 4 x 2 Chile

      Comemoração após a vitória do Brasil sobre o Chile pelas semifinais: a expulsão de Garrincha fez os torcedores sofrerem, mas o placar de 4 x 2 garantiu a vaga na final, s.l.
      13 de junho de 1962. Correio da Manhã.

    • Os bicampeões na Avenida São João

      São Paulo, junho de 1962. Correio da Manhã.

    • Zito, Pelé e Gilmar com o presidente João Goulart

      Zito, Pelé e Gilmar desfilam em carro aberto com o presidente João Goulart.
      Brasília, 18 de junho de 1962. Correio da Manhã.

    • Copa de 1962
    • Zagallo e Garrincha
    • Didi e Pelé jogam damas na concentração
    • Treinamento físico a cargo de Paulo Amaral
    • Coutinho toma um café
    • Torcedor acompanha a partida Brasil 2 x 1 Espanha
    • Vavá marca gol
    • Maurice Norman e Vavá
    • Garrincha
    • Comemoração após gol na vitória sobre o Chile
    • A emoção de Nilton Santos
    • Brasil 4 x 2 Chile
    • Os bicampeões na Avenida São João
    • Zito, Pelé e Gilmar com o presidente João Goulart
    • Copa de 1966
    • Pixinguinha e Clementina de Jesus em homenagem a Djalma Santos
    • Jairzinho em Manchester
    • Jogadores se exercitando
    • Gol sofrido por Gilmar
    • Brasil estréia na Copa
    • Treino Físico
    • Torcedores assistem ao treino da seleção
    • Gérson e Garrincha
    • Copa de 1966

      Lazer dos jogadores

      A pior campanha do Brasil em Copas do Mundo, desde 1934: assim se pode resumir o que ocorreu na Inglaterra. Um desastre absoluto amplificado em razão da conquista do bicampeonato na Copa anterior. E não era possível sequer reclamar a ausência de craques: o Brasil havia levado a sua força máxima. No entanto, os campeões mundiais não conseguiram passar das oitavas de final, eliminados e derrotados por Hungria e Portugal. O vexame da seleção deveu-se, para muitos, à ignorância dos dirigentes para a grande mudança que se operava no futebol mundial: a aplicação no treinamento dos jogadores dos métodos de preparo físico que insistem na importância do fôlego e da força que permitem ao atleta correr mais e por todo o campo, ocupar mais espaços em menor tempo, partir da defesa para o ataque e voltar para defender com velocidade. Saiba mais

      O lazer dos jogadores brasileiros na concentração incluía a sinuca, s.l.
      Abril de 1966. Correio da Manhã.

    • Pixinguinha e Clementina de Jesus em homenagem a Djalma Santos

      Djalma Dias disputando, em 1966, a sua última Copa.

      Rio de Janeiro, s.d. 
      Correio da Manhã.

    • Jairzinho em Manchester

      Jairzinho no treino da seleção em Manchester.

      Julho de 1966. Correio da Manhã.

    • Jogadores se exercitando

      Jogadores brasileiros se exercitando na etapa de preparação para a Copa.
      Caxambu, abril de 1966. Correio da Manhã.

    • Gol sofrido por Gilmar

      Flagrante de um dos gols sofridos por Gilmar na partida contra a Hungria, na qual o Brasil foi derrotado por 3 x 1.
      Liverpool, 15 de julho de 1966. Correio da Manhã.

    • Brasil estréia na Copa

      O Brasil estréia na Copa vencendo a Bulgária por 2 x 0.
      Liverpool, 12 de julho de 1966. Correio da Manhã.

    • Treino Físico

      Em Lambari o treino físico dos jogadores antes da Copa. Minas Gerais, abril de 1966. Correio da Manhã.

    • Torcedores assistem ao treino da seleção

      Torcedores se posicionam de todas as maneiras para assistir ao treino da seleção brasileira, s.l., maio de 1966. Correio da Manhã.

    • Gérson e Garrincha

      Em Teresópolis antes da única Copa em que atuaram juntos. Rio de Janeiro, maio de 1966. Correio da Manhã

    • Copa de 1966
    • Pixinguinha e Clementina de Jesus em homenagem a Djalma Santos
    • Jairzinho em Manchester
    • Jogadores se exercitando
    • Gol sofrido por Gilmar
    • Brasil estréia na Copa
    • Treino Físico
    • Torcedores assistem ao treino da seleção
    • Gérson e Garrincha
    • Copa de 1970
    • A delegação brasileira à Copa do México com o presidente Médici
    • Tostão e Carlos Alberto Torres
    • Brasil e Inglaterra se enfrentam
    • Pelé disputa sua quarta e última Copa do Mundo
    • Jairzinho em lance de ataque
    • Gol de Tostão
    • Ataque brasileiro em ação
    • Comemoração na capital
    • Desfile dos tricampeões em Belo Horizonte
    • Gérson, o canhotinha de ouro
    • Copa de 1970

      Desfile em carro aberto

      A vitória no México teve um sabor especial para os brasileiros: não apenas fez com que se esquecesse o vexame de 66, mas representou a posse definitiva da taça Jules Rimet. Foi a Copa de Gérson, Tostão, Carlos Alberto, Jairzinho e Rivelino, entre outros, mas foi especialmente a Copa de Pelé. Em pleno vigor físico e em sua quarta e última participação em Copas, exibiu a genialidade que o transformaria posteriormente no "atleta do século". A Copa ficou marcada pela sombra do governo militar, presente na destituição de João Saldanha como técnico, nos pedidos do presidente Médici para a escalação de Dario, nos preparadores físicos, quase todos militares, e na segurança severa que impedia que exilados políticos se aproximassem dos jogadores, estes, aliás, de cabelos bem aparados. Saiba mais

      Marco Antônio, Jairzinho, Zagallo e o capitão Carlos Alberto Torres desfilam em carro aberto, s.l.

      Junho de 1970. Correio da Manhã.

    • A delegação brasileira à Copa do México com o presidente Médici

      Rio de Janeiro, 1970. Correio da Manhã.

    • Tostão e Carlos Alberto Torres

      após o gol do Brasil contra a Inglaterra, jogo considerado o melhor do Mundial de 70.
      Guadalajara, 7 de junho de 1970. Correio da Manhã.

    • Brasil e Inglaterra se enfrentam

      A seleção inglesa tinha jogadores como Bobby Moore e Bobby Charlton que possuíam visão aérea de jogo e usavam suas habilidades individuais sem comprometer a técnica. Guadalajara, 7 de junho de 1970. Correio da Manhã.

    • Pelé disputa sua quarta e última Copa do Mundo

      Ao fundo Clodoaldo em Brasil 1 x 0 Inglaterra.
      Guadalajara, 7 de junho de 1970. Correio da Manhã.

    • Jairzinho em lance de ataque

      Partida Brasil 4 x 2 Peru.
      Guadalajara, 14 de junho de 1970. Correio da Manhã.

    • Gol de Tostão

      Comandada pelo técnico brasileiro Didi, a melhor seleção do Peru em todos os tempos enfrenta o Brasil. Não nos intimidamos: Tostão ataca e marca o nosso segundo gol. Guadalajara, 14 de junho de 1970. Correio da Manhã.

    • Ataque brasileiro em ação

      O ataque brasileiro em ação no jogo contra a Itália, na final da Copa.
      Cidade do México, 21 de junho de 1970. Correio da Manhã.

    • Comemoração na capital

      Palácio do Planalto, Brasília, junho de 1970. Correio da Manhã.

    • Desfile dos tricampeões em Belo Horizonte

      Desfile dos tricampeões pelas ruas de Belo Horizonte com destaque para o ídolo mineiro Tostão.

      Junho de 1970. Correio da Manhã.

    • Gérson, o canhotinha de ouro

      No estádio Azteca, mais de cem mil espectadores assistem a partida Brasil 4 x 1 Itália. Gérson, conhecido como o "canhotinha de ouro" disputa sua segunda Copa e faz um dos gols que deram o Tri ao Brasil.

      Cidade do México.
      21 de junho de 1970. Correio da Manhã.

    • Copa de 1970
    • A delegação brasileira à Copa do México com o presidente Médici
    • Tostão e Carlos Alberto Torres
    • Brasil e Inglaterra se enfrentam
    • Pelé disputa sua quarta e última Copa do Mundo
    • Jairzinho em lance de ataque
    • Gol de Tostão
    • Ataque brasileiro em ação
    • Comemoração na capital
    • Desfile dos tricampeões em Belo Horizonte
    • Gérson, o canhotinha de ouro
    • Fãs
    • Djalma Santos
    • Assédio aos jogadores da seleção
    • Torcedores cariocas disputam autógrafos
    • Garrincha marcado sob pressão
    • Nilton Santos, a “enciclopédia”
    • O ponta esquerda Pepe
    • Rivelino
    • Fãs conversam com jogadores da Seleção
    • Pelé e os meninos na concentração em Lambari
    • Fãs

      Dina Sfat e Tostão

      A estrela e o craque: Dina Sfat e Tostão. Rio de Janeiro, s.d., Correio da Manhã.

    • Djalma Santos

      Um dos melhores laterais da história do futebol, jogou as Copas do Mundo de 1954 a 1966, s.l.

      Março de 1957. Correio da Manhã.

    • Assédio aos jogadores da seleção

      que seguem para a Concentração em Teresópolis. 

      Rio de Janeiro, maio de 1966. Correio da Manhã.

    • Torcedores cariocas disputam autógrafos

      Ídolos da seleção. 

      Rio de Janeiro, maio de 1966. Correio da Manhã.

    • Garrincha marcado sob pressão

      Garrincha: no campo ou fora dele, marcado sob pressão, s.l.

      Julho de 1962. Correio da Manhã.

    • Nilton Santos, a “enciclopédia”

      O jogador participou das Copas de 1950 a 1962, configurando um novo perfil para a posição de lateral: aliava a defesa com arrancadas de ataque, s.l.

      1957. Correio da Manhã.

    • O ponta esquerda Pepe

      Pepe atuou nas Copas de 1958 e 1962, s.l., s.d.
      Correio da Manhã.

    • Rivelino

      Rivelino cercado por fãs e às vésperas de sua estréia em Copas do mundo, Rivelino ficou conhecido por seus chutes fortes que lhe renderam o apelido de "patada atômica", s.l.

      Abril de 1970. Correio da Manhã.

    • Fãs conversam com jogadores da Seleção

      oncentração em Araxá. 
      Minas Gerais, abril de 1950. Correio da Manhã.

    • Pelé e os meninos na concentração em Lambari

      Minas Gerais, abril de 1966. Correio da Manhã.

    • Fãs
    • Djalma Santos
    • Assédio aos jogadores da seleção
    • Torcedores cariocas disputam autógrafos
    • Garrincha marcado sob pressão
    • Nilton Santos, a “enciclopédia”
    • O ponta esquerda Pepe
    • Rivelino
    • Fãs conversam com jogadores da Seleção
    • Pelé e os meninos na concentração em Lambari
    • Pelé e Garrincha
    • Garrincha com o presidente Castelo Branco e João Havelange
    • Garrincha se despede da Seleção Brasileira
    • Garrincha e Elza Soares
    • A imprensa acompanha todos os passos do ídolo
    • Garrincha com amigos
    • Garrincha às vésperas da Copa do Chile
    • Na concentração
    • Garrincha, “alegria do povo”
    • Garrincha
    • Pelé
    • O rei e as misses
    • Rivelino e Pelé
    • Pelé na Copa de 58
    • O aluno Pelé
    • Pelé na final da Copa de 1970
    • Brincando de goleiro
    • Pelé em lance do amistoso Brasil x Suécia
    • Pelé com o presidente João Goulart
    • Pelé com os pais
    • Lance do amistoso Brasil x Alemanha
    • Pelé e Garrincha

      A caminho da Copa

      Garrincha e Djalma Santos na Itália onde foram disputados alguns amistosos antes da chegada à Suécia. 1958. Correio da Manhã.

    • Garrincha com o presidente Castelo Branco e João Havelange

      A caminho da Copa na Inglaterra, s.l.
      Junho de 1966. Correio da Manhã.

    • Garrincha se despede da Seleção Brasileira

      Estádio do Maracanã.
      Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 1973. Correio da Manhã.

    • Garrincha e Elza Soares

      A Copa de 1962 consagrou Garrincha. Nesse período, torna-se público seu romance com a cantora Elza Soares, o qual perdurou por vários anos, s.l.
      Março de 1973. Correio da Manhã.

    • A imprensa acompanha todos os passos do ídolo

      s.l., s.d. Correio da Manhã.

    • Garrincha com amigos

      s.l., junho de 1962. Correio da Manhã.

    • Garrincha às vésperas da Copa do Chile

      s.l., junho de 1962. Correio da Manhã.

    • Na concentração

      s.l., junho de 1958. Correio da Manhã.

    • Garrincha, “alegria do povo”

      s.l., abril de 1966. Correio da Manhã.

    • Garrincha

      s.d., Correio da Manhã

    • Pelé

      s.d., Correio da Manhã

    • O rei e as misses

      s.l., junho de 1969. Correio da Manhã.

    • Rivelino e Pelé

      Craques da Copa de 1970, s.l., 1971. Correio da Manhã.

    • Pelé na Copa de 58

      Pelé estreou na Copa de 58 e terminou a competição como o artilheiro do Brasil, com seis gols.
      Estocolmo, junho de 1958. Correio da Manhã.

    • O aluno Pelé

      A atuação como jogador de sucesso não o impediu de dar continuidade aos estudos, formando-se, em 1974, em Educação Física, s.l.,s.d. 
      Correio da Manhã.

    • Pelé na final da Copa de 1970

      Pelé cumprimenta adversário antes da final da Copa de 1970.
      Cidade do México, 21 de junho de 1970. Correio da Manhã.

    • Brincando de goleiro

      Treino da seleção, s.l.
      Julho de 1966. Correio da Manhã.

    • Pelé em lance do amistoso Brasil x Suécia

      s.l., julho de 1966. Correio da Manhã.

    • Pelé com o presidente João Goulart

      Pelé em encontro dos jogadores da seleção com o presidente João Goulart.
      Brasília 1962. Correio da Manhã.

    • Pelé com os pais

      João Ramos do Nascimento e Celeste Arantes do Nascimento, s.l.
      Agosto de 1964. Correio da Manhã.

    • Lance do amistoso Brasil x Alemanha

      Time vencido pela seleção brasileira por 2 x 0.
      Rio de Janeiro, 6 de junho de 1965. Correio da Manhã

    • Pelé e Garrincha
    • Garrincha com o presidente Castelo Branco e João Havelange
    • Garrincha se despede da Seleção Brasileira
    • Garrincha e Elza Soares
    • A imprensa acompanha todos os passos do ídolo
    • Garrincha com amigos
    • Garrincha às vésperas da Copa do Chile
    • Na concentração
    • Garrincha, “alegria do povo”
    • Garrincha
    • Pelé
    • O rei e as misses
    • Rivelino e Pelé
    • Pelé na Copa de 58
    • O aluno Pelé
    • Pelé na final da Copa de 1970
    • Brincando de goleiro
    • Pelé em lance do amistoso Brasil x Suécia
    • Pelé com o presidente João Goulart
    • Pelé com os pais
    • Lance do amistoso Brasil x Alemanha
  • Sobre as imagens

    Todas as imagens da exposição Drama e euforia - o Brasil nas Copas de 50 a 70 receberam tratamento digital de forma a garantir o conforto visual do visitante e foram igualmente editadas para compor a narrativa da exposição. Assim, as reproduções aqui exibidas foram mescladas, cortadas, tiveram cor alterada ou detalhes realçados e não correspondem aos tamanhos originais dos documentos.

     

    As imagens que compõem a exposição Drama e euforia - o Brasil nas Copas de 50 a 70 foram pesquisadas no acervo do Arquivo Nacional e selecionadas dos fundos Correio da Manhã e Agência Nacional.

    A listagem abaixo correlaciona os títulos das imagens de cada sala da exposição  com suas respectivas fontes.


    Jogadores comemoram a conquista do tricampeonato
    Jogadores comemoram a conquista do tricampeonato: Correio da Manhã. PH/FOT/38422 (690)


    Copa de 1950
    IV Campeonato Mundial de Futebol: Correio da Manhã. PH/FOT/1682 (6)
    Craques da seleção posam no aeroporto: Correio da Manhã. PH/FOT/3581 (39)
    O tradicional churrasco: Correio da Manhã. PH/FOT/3581 (58)
    Sinuca: Correio da Manhã. PH/FOT/3580 (9)
    Brasil 2 x 0 Iugoslávia: Correio da Manhã. PH/FOT/1682 (55 B)
    Primeiro gol contra o México: Correio da Manhã. PH/FOT/1682 (36)
    Defesa de Barbosa: Correio da Manhã. PH/FOT/1682 (48)
    Lance do jogo Brasil x México: Correio da Manhã. PH/FOT/3432 (91)
    Comemoração após gol contra a Iugoslávia: Correio da Manhã. PH/FOT/1682 (55 A)
    Esforços inúteis do goleiro sueco: Correio da Manhã. PH/FOT/1682 (39- A)
    Gol de Friaça contra o Uruguai: Correio da Manhã. PH/FOT/1682 (3)
    A solidão do goleiro Barbosa: Correio da Manhã. PH/FOT/1682 (49)


    Copa de 1954
    Estréia da V Copa do Mundo: Correio da Manhã. PH/FOT/13577 (13)
    Presidente Vargas recebe a delegação brasileira: Agência Nacional. EH/COC/P 3005 (6)
    Sinuca: Correio da Manhã. PH/FOT/3432 (136)
    Mário Américo: Correio da Manhã. PH/FOT/3578 (2)
    Momento de lazer: Correio da Manhã. PH/FOT/3577 (28)
    Jogador Pinga em disputa de bola: Correio da Manhã. PH/FOT/38860 (28)
    Treino físico antes do embarque para a Suiça: Correio da Manhã. PH/FOT/3585 (29)
    Goleiro mexicano em ação: Correio da Manhã. PH/FOT/1683 (47)
    Brasil 1 x 1 Iugoslávia: Correio da Manhã. PH/FOT/1683 (63)
    Defesa de Castilho: Correio da Manhã. PH/FOT/1683 (52)

    Copa de 1958
    Jogada de Vavá: Correio da Manhã. PH/FOT/1684 (42)
    Gol contra a União Soviética: Correio da Manhã. PH/FOT/1684 (53)
    Futuros campeões durante a execução dos hinos: Correio da Manhã. PH/FOT/3582 (34)
    Vavá atropela a defesa da França: Correio da Manhã. PH/FOT/1684 (58)
    Pelé no ataque: Correio da Manhã. PH/FOT/1684 (12)
    Gol contra a França: Correio da Manhã. PH/FOT/1684 (57)
    A taça do mundo é nossa!: Correio da Manhã. PH/FOT/23600 (37)
    Volta olímpica: Correio da Manhã. PH/FOT/3582 (33)
    Bellini exibe a taça Jules Rimet: Correio da Manhã. PH/FOT/1685 (11)
    Desfile pelas ruas do Rio de Janeiro: Correio da Manhã. PH/FOT/3584 (25)
    Festa da chegada dos jogadores brasileiros: Correio da Manhã. PH/FOT/3432 (78)
    Multidão aguardando os campeões do mundo: Correio da Manhã. PH/FOT/3432 (79)
    Comemoração pela conquista da Copa: Correio da Manhã. PH/FOT/3497 (5)
    Juscelino Kubistchek beija a taça Jules Rimet: Agência Nacional. EH/COC/P 7170 (14)


    Copa de 1962
    Didi e Nilton Santos bloqueiam Ramirez: Correio da Manhã. PH/FOT/1561 (17)Zagallo e Garrincha: Correio da Manhã. PH/FOT/49134 (41)
    Didi e Pelé jogam damas: Correio da Manhã. PH/FOT/3410 (31)
    Treinamento físico: Correio da Manhã. PH/FOT/3409 (16)
    Coutinho toma um café: Correio da Manhã. PH/FOT/17838 (12)
    Torcedor acompanha Brasil x Espanha: Correio da Manhã. PH/FOT/3413 (14)
    Vavá marca gol: Correio da Manhã. PH/FOT/3432 (31)
    Maurice Norman e Vavá: Correio da Manhã. PH/FOT/1561 (34)
    Garrincha: Correio da Manhã. PH/FOT/23198 (157)
    Comemoração após gol na vitória sobre o Chile: Correio da Manhã. PH/FOT/47075 (70)
    A emoção de Nilton Santos: Correio da Manhã. PH/FOT/41248 (90)
    Brasil 4 x 2 Chile: Correio da Manhã. PH/FOT/3413 (2)
    Os bicampeões na Avenida São João: Correio da Manhã. PH/FOT/3432 (104)
    Zito, Pelé e Gilmar com o presidente João Goulart: Correio da Manhã. PH/FOT/3413 (12)


    Copa de 1966
    Treino físico: Correio da Manhã. PH/FOT/1573 (9)
    Torcedores assistem  ao treino da seleção: Correio da Manhã. PH/FOT/1576 (4)
    Gérson e Garrincha: Correio da Manhã. PH/FOT/1576 (22)
    Lazer dos jogadores: Correio da Manhã. PH/FOT/1572 (15)
    Pixinguinha e Clementina de Jesus em homenagem a Djalma Santos: Correio da Manhã. PH/FOT/41134 (24)
    Jairzinho em Manchester: Correio da Manhã. PH/FOT/26709 (41)
    Jogadores se exercitando: Correio da Manhã. PH/FOT/1572 (14)
    Gol sofrido por Gilmar: Correio da Manhã. PH/FOT/1527 (52)
    Brasil estréia na Copa: Correio da Manhã. PH/FOT/1527 (89)

    Copa de 1970
    Desfile em carro aberto: Correio da Manhã. PH/FOT/26709 (124)
    Delegação brasileira com o presidente Médici: Correio da Manhã. PH/FOT/3459 (55)
    Tostão e Carlos Alberto Torres: Correio da Manhã. PH/FOT/46056 (450)
    Brasil e Inglaterra se enfrentam: Correio da Manhã. PH/FOT/3445 (97)
    Pelé disputa sua última Copa do Mundo: Correio da Manhã. PH/FOT/38422 (372)
    Jairzinho em lance de ataque: Correio da Manhã. PH/FOT/26709 (94)
    Gol de Tostão: Correio da Manhã. PH/FOT/46056 (321)
    Ataque brasileiro em ação: Correio da Manhã. PH/FOT/38422 (423)
    Comemoração na capital. Correio da Manhã. PH/FOT/1533 (2)
    Desfile dos tricampeões em Belo Horizonte: Correio da Manhã. PH/FOT/1532 (1)
    Gérson, o "canhotinha de ouro": Correio da Manhã. PH/FOT/23447 (33)


    Fãs
    Dina Sfat e Tostão: Correio da Manhã. PH/FOT/46056 (34)
    Djalma Santos: Correio da Manhã. PH/FOT/41134 (20)
    Assédio aos jogadores da seleção: Correio da Manhã. PH/FOT/1576 (17)
    Torcedores cariocas disputam autógrafos: Correio da Manhã. PH/FOT/1576 (13)
    Garrincha marcado sob pressão: Correio da Manhã. PH/FOT/23198 (46)
    Nilton Santos, "a enciclopédia": Correio da Manhã. PH/FOT/41248 (37)
    O ponta esquerda Pepe: Correio da Manhã. PH/FOT/38491 (11)
    Rivelino: Correio da Manhã. PH/FOT/40169 (72)
    Fãs conversam com jogadores: Correio da Manhã. PH/FOT/13581 (12)
    Pelé e os meninos na concentração em Lambari: Correio da Manhã. PH/FOT/38422 (238)

    Pelé e Garrincha
    A caminho da Copa: Correio da Manhã. PH/FOT/3500 (1)
    Garrincha se despede da Seleção: Correio da Manhã. PH/FOT/23198 (136)
    Garrincha com o presidente Castelo Branco: Correio da Manhã. PH/FOT/23198 (114)
    Garrincha e Elza Soares: Correio da Manhã. PH/FOT/23198 (70)
    A imprensa acompanha todos os passos do ídolo: Correio da Manhã. PH/FOT/23198 (82)
    Garrincha com amigos: Correio da Manhã. PH/FOT/23198 (34)
    Garrincha às vésperas da Copa do Chile: Correio da Manhã. PH/FOT/23198 (32)
    Na concentração: Correio da Manhã. PH/FOT/23198 (31)
    Garrincha, "alegria do povo": Correio da Manhã. PH/FOT/23198 (117)
    Garrincha: Correio da Manhã. PH/FOT/23198 (158)
    Pelé: Correio da Manhã. PH/FOT/38422 (219)
    O rei e as misses: Correio da Manhã. PH/FOT/38422 (343)
    Rivelino e Pelé: Correio da Manhã. PH/FOT/38422 (476)
    Pelé na Copa de 58: Correio da Manhã. PH/FOT/38422 (3)
    O aluno Pelé: Correio da Manhã. PH/FOT/38422 (340)
    Pelé na final da Copa de 1970: Correio da Manhã. PH/FOT/38422 (692)
    Brincando de goleiro: Correio da Manhã. PH/FOT/38422 (216)
    Pelé em lance do amistoso Brasil x Suécia: Correio da Manhã. PH/FOT/38422 (187)
    Pelé com o presidente João Goulart: Correio da Manhã. PH/FOT/38422 (91)
    Pelé com os pais: Correio da Manhã. PH/FOT/38422 (109)
    Lance do amistoso Brasil x Alemanha: Correio da Manhã. PH/FOT/38422 (149)

  • Ficha Técnica

    Exposição: Drama e euforia - O Brasil nas Copas de 50 a 70
    Local: Arquivo Nacional - Sede
    Data: 2006

  • Créditos

    A exposição Drama e euforia - o Brasil nas Copas de 50 a 70 foi originalmente montada em 2006, na sede do Arquivo Nacional.
     

    Presidente da República
    Luiz Inácio Lula da Silva

    Ministra-Chefe da Casa Civil da Presidência da República
    Dilma Vana Rousseff

    Secretária-Executiva da Casa Civil da Presidência da República
    Erenice Alves Guerra

    Diretor-Geral do Arquivo Nacional
    Jaime Antunes da Silva

    Coordenador-Geral de Acesso e Difusão Documental
    Alexandre Manuel Esteves Rodrigues

    Coordenador de Pesquisa e Difusão do Acervo
    Dalton José Alves

     

    EQUIPE TÉCNICA

    Curadoria e textos
    Cláudia Beatriz Heynemann
    Maria do Carmo Teixeira Rainho

    Pesquisa de imagens e legendas
    Beatriz Helena Biancardini Scvirer
    Denise de Morais Bastos

    Design gráfico
    Alzira Reis

    Produção de cenografia
    Marcelo Camargo

    Digitalização de imagens
    Coordenação de Preservação do Acervo/Laboratório de Fotografia
    Mauro Domingues
    Flávio Lopes

    Assessoria de Imprensa
    Gilda Boruchovitch

    Manipulação e plotagem de imagens
    Pixel Trade Ltda.

    Iluminação
    Be Light

    Agradecimentos

    Adriana Cox Hollós - Coordenadora de Preservação do Acervo
    Denílson Braz - Coordenador de Recursos Logísticos
    Clóvis Molinari - Coordenador de Documentos Audiovisuais e Cartográficos
    Marilda Trindade Dias Alves - Assistente do Diretor-Geral
    Inez Terezinha Stampa - Coordenadora Geral de Processamento e Preservação do Acervo
    Renato Diniz - Coordenador Geral de Administração
    Rosina Iannibelli - Assessoria de Relações Públicas
    Sérgio Miranda de Lima (Supervisor) e Equipe de Documentos Iconográficos

Assunto(s): Brasil , Copa do mundo , Futebol
Fim do conteúdo da página